0
0
0
s2sdefault
Fórum Microrregional realiza seminário "Águas do Semiárido" para discutir situação hídrica no Ceará

Sendo a água fundamental para a existência da vida, há a necessidade de se cuidar bem dos reservatórios, do meio ambiente e garantir o acesso de forma justa, igualitária e universal.

É necessário compreender o que está contribuído para o agravamento da crise hídrica que ocorre no Estado do Ceará, fatores que estão além do fenômeno natural da estiagem que tem levado o Semiárido a vivenciar a maior seca dos últimos 100 anos.

Com o propósito de debater essas questões, o Fórum Microrregional de Convivência com o Semiárido da região Centro-Sul, promoveu no dia 21 de março em Acopiara (CE), o Seminário Águas do Semiárido, compondo a programação do dia mundial da água que é comemorado no dia 22 de março.

Com a apresentação de três painéis que tratou da situação crítica em que se encontram os reservatórios da região, a má gestão por parte dos órgãos governamentais responsáveis pelo gerenciamento dos reservatórios, que resultou no agravamento da crise hídrica em todo o estado e a importância da educação contextualizada para desenvolver a compreensão da água como um bem comum e não como mercadoria.

O evento contou com a participação de agricultores, agricultoras e representantes de entidades que compõem o Fórum Microrregional.

Nas falas dos participantes veio a preocupação com a degradação ambiental que também contribui para o prolongamento dos anos de estiagem; a preocupação com o desperdício dá água nos processos de transposição; a contaminação dos aquíferos e reservatórios por agrotóxicos; o fato do grande volume de água ser destinado para atender as demandas do agronegócio e da indústria, comprometendo o abastecimento humano e a produção dos pequenos produtores rurais.

O destaque positivo foi para as tecnologias sociais de convivência com o Semiárido que possibilitam o armazenamento de água para consumo humano e produção de alimentos, que são as cisternas de placas, dos programas desenvolvidos pela Articulação Semiárido Brasileiro - ASA.

O debate foi além da discussão sobre o volume de água existente nos reservatórios da região. Na opinião dos participantes, mesmo que haja uma recarga considerável, é necessário que a luta continue no sentido reivindicar uma gestão adequada, que priorize as necessidades humanas, que seja revista as outorgas de água para complexo industrial do porto do Pecém e para o agronegócio, sendo necessário o somatório de forças para garantir uma gestão participativa e descentralizada.

Galeria de Fotos:

Texto: CDDH-AC | Vídeo: Fram Paulo | Fotos: Ednaldo Alves


0
0
0
s2sdefault